sábado, 30 de dezembro de 2017

...


 
Desde o dia 24 que estou...de cama.
 
Pois, tenho a mania que mando mais que o meu corpo e desta vez ele disse basta. E está a castigar-me forte e feio que é para ver se eu aprendo, pelo que tenho mais alguns dias pela frente.
 
Mas isso agora não interessa nada (porque, de facto, não interessa, muito menos a quem pensamos que pode interessar).
 
Mas não podia deixar de desejar a todos um 2018 cheio de esperança e, já agora, tentem ser felizes.
 
Eu voltarei...acho eu!

sábado, 23 de dezembro de 2017

Enquanto estou nos preparativos...

Imagem da net

Para o dia que se avizinha, vou recordando Natais passados com um sorriso e uma enorme saudade dos momentos únicos.
 
Hoje, resta-me olhar para o telemóvel à espera de ver a face linda da minha filhota mais velha e as mensagens dos amigos que me abraçam....
 
E, claro está, vou ouvindo estes meninos... porque parte da nossa luta diária é encontrar o caminho para a nossa casa...
 
 

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Baú das Recordações...

 
 
Imaginem uma catraia de 14 anos a ouvir a música de hoje e a chorar lágrimas de crocodilo por uma paixão assolapada.

É nesta altura que me sinto velha como o caraças.
 
Valha-me Santa Engrácia...
 
 
 

Para todos...


Ainda volto antes do Natal, mas aqui fica o meu desejo para todos vós.

E, já agora, cuidem bem das pessoas que amam...
 
A música é esta.

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

...



Apesar do que tem acontecido nos últimos tempos, estou a fazer um esforço para tentar viver a magia do Natal.
 
Durante a maior parte da minha vida, Natal significava ter a família e os amigos juntos. Era sempre um grupo de 18 a 22 pessoas.
 
Nos últimos quatro anos temos sido três ou quatro pessoas. Este ano seremos três pois a filhota mais velha fica retida em terras de sua Majestade.
 
Daí que, a magia costuma chegar uns dias mais tarde. No dia de Reis.
 
Dia em que aqueles, apesar de todas as vicissitudes dos últimos quatro anos, se mantiveram ao meu lado. Os meus Amigos.
 
Sei que nesse dia sou verdadeiramente feliz pois tenho à minha volta "todas" as pessoas que eu amo.
 
Nesse dia faltarão dois Amigos (um que faleceu este ano e outro que nunca esteve presente mas que incluo neste circulo restrito). Estarão em espírito.
 
Nesse dia seremos oito à mesa e dois em espírito. Nessa altura, revivo a magia do Natal.
 
A música de hoje? É esta (dedico ao H. de quem me despedi hoje)...
 
 

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Porque hoje só me apetece dizer isto...



Porque há aqueles dias em que apenas ansiámos por um ombro amigo.
 
Porque há aqueles dias em que nos sentimos verdadeiramente sós, mesmo rodeados de muita gente.
 
Porque há dias em que apenas...queremos fugir...para bem longe...


 "Só hoje senti
Que o rumo a seguir
Levava pra longe
Senti que este chão
Já não tinha espaço
Pra tudo o que foge
Não sei o motivo pra ir
Só sei que não posso ficar
Não sei o que vem a seguir
Mas quero procurar

E hoje deixei
De tentar erguer
Os planos de sempre
Aqueles que são
Pra outro amanhã
Que há-de ser diferente
Não quero levar o que dei
Talvez nem sequer o que é meu
É que hoje parece bastar
Um pouco de céu
Um pouco de céu

Só hoje esperei
Já sem desespero
Que a noite caísse
Nenhuma palavra
Foi hoje diferente
Do que já se disse
E há qualquer coisa a nascer
Bem dentro no fundo de mim
E há uma força a vencer
Qualquer outro fim

Não quero levar o que dei
Talvez nem sequer o que é meu
É que hoje parece bastar
Um pouco de céu"
 
 

E a tradição continua...


 
Estou a trabalhar e o telefone toca para me avisarem que um dos meus Colegas de trabalho tinha sido encontrado morto.
 
Ainda na sexta-feira, estivemos a falar quando cheguei ao trabalho. Eramos ambos madrugadores e geralmente era o primeiro sorriso que eu via quando chegava ao trabalho.
 
Ainda não consigo acreditar. A sério, a vida é tão injusta!!!
 
H., vou sentir a tua falta.

Fosga-se, estou mesmo a precisar de uma boa notícia. Este ano nunca mais chega ao fim...

Pensamento do dia...



Imagem da net

 
 
"Confia no teu cão até o último momento,
mas na tua mulher ou no teu marido,
apenas até a primeira ocasião."

Anton Tchekhov
 
 
 
 

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Porcos ou expectativas...

 
Ok. Pedi exemplos de romantismo para me subir a moral, mas...ninguém ligou nenhuma!
 
Errado, houve um menino que bem tentou levantar-me a moral remetendo-me por mail este exemplo de puro romantismo...
 
L, já a minha avozinha dizia: "com amiguinhos destes..."
 
Mas as verdades são para serem ditas e concordo, na íntegra, com esta mensagem:



Mas só por me fazeres rir, (algo que só o Kique e o Ricardo têm conseguido), levas com esta esta música:


E cumpre-se a tradição...



...de perder alguém chegado no mês de Natal!
 
Partiste da forma que desejavas. As tuas feições serenas confirmam isso mesmo.
 
Obrigada pelos  momentos partilhados ao longo dos últimos trinta e dois anos.
 
Acima de tudo, obrigada por teres estado ao meu lado na defesa de valores e princípios como o da solidariedade, o respeito pelas opiniões dos outros e a lealdade.
 
Adeus J.F.

Romantismo...


 
"Não existe amores impossíveis,
e sim pessoas incapazes de lutar por seu grande amor."
(Anónimo)

Meus queridos, hoje preciso que levantem a minha moral (sempre é mais fácil do que levantar a gordurinha acumulada no meu esbelto corpinho).

Vamos lá... Comecem a elencar actos de verdadeiro romantismo.

E se alguém quiser ter um acto de romantismo para comigo...agradecida!

Entretanto, vou fazer de conta que estou a dançar este tema bem agarradinha...



Hoje estou para aqui virada (antes que perguntem, sim, as insónias continuam, mas a boa disposição ainda por cá anda porque é a única hipótese que eu tenho de aguentar a maratona de trabalho que me espera esta semana)!
 


domingo, 17 de dezembro de 2017

Pensamento do dia (ou da noite)...



Imagem da net


Certo. Mas quando uma pessoa leva pancadas sucessivas deixa de haver espaço para a decepção.

Esta noite, a minha companhia são estes meninos...

A uma semana do Natal ...

Imagem de natal

 
Aproveitando o facto de maridão e filhota não estarem este domingo em casa, a "je" meteu-se a embrulhar os presentes de Natal.
 
Acabo por juntar o útil ao agradável. É que, para além de poder fazer os embrulhos longe de olhos indiscretos, na próxima semana espera-me uma maratona no trabalho e o tempo vai ser diminuto.
 
Tenho a terrível mania de que cada presente deve ser embrulhado de uma forma especial e de acordo com a pessoa a quem se destina.
 
E é também uma forma de tentar "embrulhar-me" no espírito natalício que este ano não há forma de me enrolar.
 
Ao longo desta semana passei algumas das minhas músicas fétiches. E porque estamos a uma semana do dia, termino com a minha música fétiche de Natal. Para mim, foi sempre esta:
 
 
 
 

sábado, 16 de dezembro de 2017

Quando, verdadeiramente, se quer...

 
Imagem da net
 
Consegue-se dizer...
 
Mas, na maioria das vezes, vira-se as costas à vida...
 
 
"Por mais que a vida nos agarre assim
Nos troque planos sem sequer pedir
Sem perguntar a que é que tem direito
Sem lhe importar o que nos faz sentir
 
Eu sei que ainda somos imortais
Se nos olhamos tão fundo de frente
Se o meu caminho for para onde vais
A encher de luz os meus lugares ausentes
 
É que eu quero-te tanto
Não saberia não te ter
É que eu quero-te tanto
É sempre mais do que eu te sei dizer
Mil vezes mais do que eu te sei dizer
 
Por mais que a vida nos agarre assim
Nos dê em troca do que nos roubou
Às vezes fogo e mar, loucura e chão
Ás vezes só a cinza do que sobrou
 
Eu sei que ainda somos muito mais
Se nos olhamos tão fundo de frente
Se a minha vida for por onde vais
A encher de luz os meus lugares ausentes
 
É que eu quero-te tanto
Não saberia não te ter
É que eu quero-te tanto
É sempre mais do que eu sei te dizer
Mil vezes mais do que eu te sei dizer"
 
Mafalda Veiga



O que a vida me ensinou...

Imagem da net
 
 
Que só temos consciência da força que temos quando a vida nos coloca tais obstáculos que só nos resta ser fortes.
 
Quase a terminar mais um ano posso dizer que a minha maior virtude é a resiliência.
 
A música fétiche de hoje? Ficam com dois "monumentos" musicais...
 
 

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Ah...e tal...


 
As tensões altas são perigosas, Ni Maria. Tens que tomar medicação para baixar essas tensões.
 
Já não tens trinta anos, és fumadora, tens o colesterol um pouco acima do normal, estás a entrar na menopausa, enfim...temos que controlar essas tensões...
 
Certo.
 
Mas, na verdade, nunca acabei no hospital por ter as tensões altas. E hoje acabei num por causa das tensões baixas.
 
Eu não disse que ia ficar mais doente com a medicação?
 
Raios e coriscos...
 
A música fétiche de hoje? Sei lá...fiquem com esta:
 
 

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Sabem...


Imagem da net

 
Qual é a vantagem de ter tido três semanas para riscar do meu baú das memórias?
 
Ter perdido os cinco quilos que na primavera passada ganhei à custa de um medicamento e, como bónus, mais três quilitos. Quais dietas e exercício físico, quais quê...
 
Oito quilos e o único esforço que tive que fazer foi aguentar os brindes que a querida vida decide oferecer-me de quando em vez...
 
Amanhã vou levar um vestido que já não vestia há mais de dois anos!
 
Quanto à música fétiche de hoje...eu devia estar louca quando decidi passar algumas das "minhas" músicas. Demonstrar numa semana as músicas que ouço vezes sem conta, é uma tarefa impossível!
 
As músicas que se seguem marcam uma das etapas mais importantes para mim. Dedico ao T., o meu primeiro Amigo.
 
 
 
 

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Porque hoje me apetece dizer isto...

 
Imagem da net


 
"O que há em mim é sobretudo cansaço
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.

A sutileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto em alguém,
Essas coisas todas
Essas e o que falta nelas eternamente
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.

Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...

E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,

Um supremíssimo cansaço,
Íssimo, íssimo, íssimo,
Cansaço..."
 
Álvaro de Campos
 
 
Dava tudo para conseguir dormir esta noite...

A música fétiche de hoje é esta:


terça-feira, 12 de dezembro de 2017

28 anos...

 
"Nossos filhos não são nossos.
Eles são filhos da vida ansiando pela vida"
Nietzsche
 
Há já alguns anos que ganhei a consciência que as "minhas" duas filhotas já não eram "minhas". Ou melhor, que já não eram aqueles seres indefesos que protegemos com os nossos braços e bem encostados ao peito porque, como bem sabemos, os filhos "não são nossos".
 
São eles que vão construir o seu próprio destino pois este é também uma questão de escolha. São eles que têm que percorrer os seus próprios caminhos, viver a vida e escrever no calcorrear dos dias as suas próprias histórias.A filhota mais velha decidiu há cerca de cinco anos escrever a sua história num outro País (e este ano não vou poder ter o Natal que gosto, porque não a vou ter comigo). 
 
Há 28 anos atrás, mais ao menos por esta hora, estava e envolver nos meus braços a "minha" filhota mais velha pela primeira vez.  Naqueles breves instantes ela foi "minha" porque "fomos uma".


Hoje, a música "fétiche" e, precisamente, do ano que ela nasceu.
 
 
 
 

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

O que a vida me ensinou...



Que nem as minhas escolhas, algumas vezes, pude controlar. Porque não se controlam escolhas condicionadas.

A música "fétiche" de hoje? Nem imaginam as memórias que esta música arrasta.
 
Nota - F.J. esta é para ti porque ninguém dançava esta música comigo como tu...


domingo, 10 de dezembro de 2017

Porque hoje me apetece dizer isto...


Imagem da net


"A solidão é extremamente interessante.
Ninguém para nos atazanar e obrigar a fazer o que não é da nossa natureza.
O único problema da solidão é que quando estamos envolvidos por ela,
sentimos uma imensa falta das outras pessoas."
Isaac Bianchi
 
Do que tenho saudades?

Definitivamente, da cumplicidade...  

Saudades da cumplicidade que partilhei. 

Do descobrir os nossos pensamentos sem nada dizer.
 
A música "fétiche" é esta:
 

 

 

...


 
E no dia em que em vez de estar deitadinha no sofá, bem enroladinha numa manta quentinha, a ver um bom filme, estou a...trabalhar!
 
O objetivo é concluir hoje um estudo prévio de viabilidade (até o nome dá sono). Aliás, acrescente-se, tem sido a minha rica vidinha neste fim-de-semana prolongado (e bem prolongado pois pelo andar da carruagem palpita-me que nem à cama vou).
 
Espero que estejam a passar um fim-de-semana prolongado bem mais a preceito que o meu.
 
Terceira música "fétiche", é esta (se tivesse que escolher apenas uma música seria, talvez, esta):
 
 

sábado, 9 de dezembro de 2017

Pensamento do dia...


"Com o tempo você percebe que as pessoas são como livros...
Alguns te enganam pela capa e outros te surpreendem pelo conteúdo."
Thalita Lopes
 
 
Como o prometido é devido, a segunda música "fétiche" é esta (era menina para dançar esta música horas e horas...):
 
 

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

...

Imagem da net*
 
"Quem eu sou, você só vai perceber quando olhar nos meus olhos,
ou melhor, além deles."
 
Clarice Lispector
 

Que gosto mais dos silêncios porque as palavras saem conforme as idealizamos e os silêncios conforme sentimos.

Que os silêncios não mentem, não criam expectativas, nem defraudam. E, acima de tudo, significam sempre algo.

Que gosto mais do "olhar".

Alguém disse que era o "espelho da alma", eu diria que que é o verdadeiro sentir que nos envolve.

No olhar não há mentiras nem subterfúgios. Não há fugas ou desculpas. Não há pretextos ou justificações.

No olhar há a verdade. Seja ela boa ou má.

No olhar há a inocência do sentir. A amargura da experiência.

No olhar há a serenidade da idade. A paixão da descoberta.

No olhar há o terminar de um sonho. O triunfo de uma conquista.

No olhar há o amor que queremos dar. A dor da invisibilidade.

No olhar há o carinho que nos desperta. A indiferença de quem magoa.

No olhar há o simples abraçar. A saudade infinita.

No olhar há o sol que nos aquece. O frio da ausência do calor humano.

No olhar há o verdadeiro "eu". O verdadeiro "sentir".
 
 
Esta semana servirá para recordar algumas das minhas músicas "fétiches". Aquelas em que "pára tudo que se vai ouvir...". Hoje é esta.


* Pelo menos ficam a conhecer a cor dos meus olhos

Finalmente...



Um texto que gostei de ler no "Shiuuuu".
 
Concorde, ou não, com o que está escrito. Mas que há frases que retrata o que, ao longo da minha vida, já senti...lá isso há!
 
 

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

C' est vraiment trop injuste...

Imagem da net


Esta noite...

Maridão fora a participar num jantar de natal.

Filhota fora a participar num jantar de natal.

"Je" dentro de casa a tentar trabalhar sem vontade nenhuma.

Não fora o facto de não ter que cozinhar e entrava em modo calimero...

E a música tinha que estar a par, certo? Então levam com duas!



Ainda dizem que não se aprende nada com as histórias infantis...

 
Imagem da net

"As pessoas que você tem mais medo de perder,
são as que saem da sua vida o mais rápido possível."
A Pequena Sereia

E, para estar de acordo com a história, aqui fica esta música (com um arranjo soberbo)...

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

O que a vida me ensinou...

 
Imagem da net
 
Quando estamos mais fragilizados, vemo-nos a esperar, mesmo que não se assuma, o apoio de alguém.
 
O mais curioso é que, na maioria das vezes, o apoio chega-nos de quem não estávamos à espera...
 
E ficamos nesse limbo...entre a tristeza de quem se esqueceu de nós e a esperança de, afinal, não estarmos sós!
 
A música de hoje? Daquelas que por muito esforço que faça é inevitável que caia uma lágrima (ou duas...). Não me perguntem porquê.
 
 

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Porque hoje me apetece dizer isto...


Imagem da net

Mas é possível criar o hábito de vivermos sem alguém que, de alguma forma, foi importante para nós?
 
A vida diz que sim. Mas, como em todos os hábitos, surgem aqueles pequenos momentos em que nos questionámos "e se...?"
 
A música? Só podia ser esta.



 

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Até já...



Vou fazer uma curta travessia no deserto...para "pensar"!!!

Estes meninos vão-me fazer companhia durante o meu retiro...

Adeus Zé...

Imagem retirada do JN
 
 
A primeira vez que estivemos juntos foi há cerca de 29 anos. Estávamos ambos a trabalhar. Tu, como artista, eu, como representante do promotor do espectáculo.
 
Voltámos a reencontrarmo-nos  há cerca de quatro, cinco anos em Gaia.
 
Fica na memória o teu talento, a tua simpatia e o teu sorriso...lindo!
 
Eu retenho...um grito mudo...


 

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

...


Confesso, é verdade que a magia do Natal anda arredada por estes lados.

Sei que gostos não se discutem e respeito muito os gostos de cada um.

Mas, sinceramente, alguém consegue gostar disto?

Imagem da net




O Natal a chegar...

 
Árvore de Natal? Feita.
 
Decorações? Feitas.
 
Presépio? Ora, aqui é que é está o busílis da questão. De há quinze anos a esta parte que faço o presépio na...lareira da sala! Eles são os Reis Magos, o Anjo, o Burro e a Vaca, o Pastor, o Anjo, a Maria e o José, o Menino, as ovelhas, o burro carregado de sacos, a ponte, a fogueira, o poço, a cascata, os montes...ufa...uma verdadeira canseira.
 
Acreditem, ainda vai a meio e já está assim...(eu sei que a foto não presta para nada)



E tudo isto para três gatos pingados porque este ano a filhota mais velha trabalha no Natal em terras de sua majestade...
 
A música pode ser esta:(sim, é para continuar a dar trabalho aos ossos. Vocês dançam aí e eu danço aqui...big party)
 
 
 

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Abram alas...



Imagem da net
 
Apetece-me abanar os ossos (antes que abane mais qualquer coisa). A música é esta:
 
 
 

Deixámos de ser importante para alguém. E agora?

Imagem da net


Apenas posso responder por mim. Afasto-me, pura e simplesmente. Umas vezes repentinamente, outras vezes...paulatinamente...

Nunca gostei de impor a minha presença a quem ela já nada diz...

Quanto à música...bom, estou a redescobrir a beleza da música chinesa... (já agora, alguém me sabe dizer porque raio é que os filmes de amor chineses acabam sempre mal?)





 

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Hoje sinto-me literalmente assim...





Imagem da net


E, aproveitando a preguiça, os meninos podem apreciar, uma vez mais, as pernas divinais de Tina e as meninas podem focar o olhar nos meninos que aparecem no vídeo.
 
O tema é de John Waite. A Tina Turner canta assim (para dançar sozinha(o), com a música bem alta - para afastar a preguiça, perderem mais umas calorias e, obviamente, desde que não liguem patavina ao que a letra diz).
 
 

domingo, 26 de novembro de 2017

78 anos...

E continuamos com as "efemérides" de hoje.
 
Esta menina...
 
Imagem da net
 
 
... faz hoje 78 anos e continua com uma voz e umas pernas incríveis!
 
A música que escolhi transporta-me para um dos jantares blogueiros que ocorreu na Póvoa de Varzim quando eu a minha querida Djinn saímos a dançar ao som desta música...
 
 
 
 

75 anos...


«Tocaste essa música para ela, agora vais tocá-la para mim.»
Rick
 
26 de novembro de 1942.
 
 
 
 

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Baú das Memórias...

 
 
Até aos cinco anos fui criada praticamente pela minha avó materna.
 
Tinha 18 meses quando nasceu a minha irmã do meio. Mal nasceu, a minha mãe achou por bem que durante a semana eu fosse viver com a minha avó. 
 
Por incrível que pareça recordo-me perfeitamente dos momentos que passei com ela quando já tinha quatro e cinco anos. 
 
A minha avó ficou viúva muito cedo e teve que criar oito filhos. Trabalhava num café que ficava em frente à casa dela.
 
Recordo-me de acordar, de me lavar, vestir e ir para o muro da casa dela, sempre acompanhada do meu cesto de vime pequenino que ela me tinha oferecido numa das vezes que fomos ao mercado do Bolhão. Do muro começava a chamar por ela. Ela vinha à porta do café e mandava-me atravessar a rua.
 
E, lá ia eu, toda "lampeira". Abraçava-me como nunca ninguém me abraçou. Dava-me um beijo e metia-me um pão e uma banana dentro do cesto. Ia ao bolso do avental e dava-me um tostão e ficava a olhar enquanto eu fazia os curtos 100 metros que separavam o café da minha "mestra", a D. Ermelinda. Na rua, bem perto da entrada da casa da mestra, estava a D. Rosa que vendia tremoços, azeitonas e chupetas de açúcar queimado. Comprava a minha chupeta e lá ia eu, mais um dia, a aprender a tabuada, e o abecedário com muito cuidado para que o Tico, (uma colher de pau bem pesada), não entrasse em ação.
 
Aos seis anos os meus pais mudaram de casa e lá me levaram para eu ir para a primária.
  
Morreu de cancro quando eu tinha oito anos. Morreu comigo deitada ao lado dela a acariciar aquelas rugas vincadas da dureza da vida que nunca deixou que lhe chegasse ao coração.
 
Foi, provavelmente, a pessoa que mais me amou de forma incondicional.
 
Quando me sinto mais só recuo até àquele tempo em que eu acordava de manhã...
 
A música de hoje ouvi pela primeira vez quando tinha sete anos no velho gira-discos do meu pai. Mas é um tema de 1972.

Porque hoje me apetece dizer isto...

 
Cada Lugar Teu
 Mafalda Veiga

"Sei de cor cada lugar teu
atado em mim, a cada lugar meu
tento entender o rumo que a vida nos faz tomar
tento esquecer a mágoa
guardar só o que é bom de guardar

Pensa em mim protege o que eu te dou
Eu penso em ti e dou-te o que de melhor eu sou
sem ter defesas que me façam falhar
nesse lugar mais dentro
onde só chega quem não tem medo de naufragar

Fica em mim que hoje o tempo dói
como se arrancassem tudo o que já foi
e até o que virá e até o que eu sonhei
diz-me que vais guardar e abraçar
tudo o que eu te dei

Mesmo que a vida mude os nossos sentidos
e o mundo nos leve pra longe de nós
e que um dia o tempo pareça perdido
e tudo se desfaça num gesto só

Eu vou guardar cada lugar teu
ancorado em cada lugar meu
e hoje apenas isso me faz acreditar
que eu vou chegar contigo
onde só chega quem não tem medo de naufragar

Mesmo que a vida mude os nossos sentidos
E o mundo nos leve pra longe de nós
E que um dia o tempo pareça perdido
E tudo se desfaça num gesto só

Eu vou guardar cada lugar teu
Atado em mim, a cada lugar meu
E hoje apenas isso me faz acreditar
Que eu vou chegar contigo
Onde só chega quem não tem medo de naufragar"
 
 
 
Porque o que dei...dei. Não esperando retorno. Porque a vida não é uma feira da ladra em que colocámos os afectos numa banca e gritámos bem alto "quem dá mais"...

Porque "dar-me" aos outros nunca foi uma perda de tempo.
Porque, no fundo, apenas os nossos pensamentos e os nossos afetos nos pertence.
 
E temos que nos bastar...sem ter medo de naufragar...
 
A música é esta:
 
 

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

...


 
Recordas-te daquela conversa que tivemos vezes sem conta?
 
Da minha enorme frustração por não conseguir atingir aquele objectivo?
 
Dos sacrifícios que fiz ao longo da vida para chegar lá?
 
Consegui hoje. Finalmente!!!
 
Mal saí da reunião a minha primeira reacção foi pegar no telemóvel e partilhar contigo.
 
A ironia da história é que não fiquei tão feliz como pensava que ficaria.

E acabei por não partilhar com ninguém.
 
Cheguei ao gabinete e dei por mim a procurar esta música...
 
 
 

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Já que hoje é o dia mundial da televisão...



Aproveito para ir buscar ao baú das recordações algumas da minhas séries favoritas:

Esta foi a primeira série que segui. Tinha oito anos. Quando o meu pai me queria dar um castigo era tirar-me a televisão durante uma semana quando estivesse a dar a série.
 
Seguiram-se estas duas séries:
 
 
 
Bonanza

 
E uma casa na pradaria.
 
Quase em simultâneo, uma série que eu não perdia...
 
 

Esta era mais pela paixão assolapada pelo Kabir Bedi. Aqueles olhos...


Quer acreditem, ou não, há cerca de três anos fui passar uma semana a Vidago e deixei-me ficar feita "sostrona" a ver os 48 episódios da série.

Mais uma série que não perdia. Verão Azul


Podia falar de muitas mais. Sou do tempo em que apenas havia um canal e tínhamos que levar com o que nos dava. E, por vezes, brindava-nos com excelentes séries como "Ricos e Pobres"; "Dallas"; "Cheers", etc, etc...

Mas há uma última série que destaco. Magnifica...Balada de Hill Street


E é com a música do genérico de 1981 que vos deixo...



segunda-feira, 20 de novembro de 2017

domingo, 19 de novembro de 2017

Da amizade...



Jules Reinard escreveu:
"Não há amigos, apenas há momentos de amizade"

Será que tem razão?

Será que as pessoas se cansam umas das outras quando passa a novidade?

A pessoa que ontem era importante, hoje é algo facilmente descartável?
 
Será que cada um de nós é, de facto, insubstituível?

Este foi o tema de uma conversa de ontem.

E cheguei à conclusão que estou a ficar cínica...ou não...
 
A música de hoje? Só podia ser esta.
 
 

sábado, 18 de novembro de 2017

O que a vida me ensinou...

Imagem da net

"Adoramos a perfeição, porque não a podemos ter;
repugná-la-íamos se a tivéssemos.
O perfeito é o desumano porque o humano é imperfeito"
Fernando Pessoa
 
 
Andámos toda uma vida à procura do homem/mulher perfeito(a).
 
Exultámos quando parece que, finalmente, o(a) encontrámos.
 
Sofremos quando vimos que esse ser, afinal, é imperfeito. E rejeitámos.
 
E a busca recomeça...
 
E não parámos para pensar que é uma busca inglória.
 
Não parámos para pensar que tal atitude é imperfeita. Porque procurámos algo que nem nós próprios conseguimos ser.
 
A música de hoje só pode ser esta:
 
 
 

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

...

 
Imagem da net
 
 
Eu sei que sou uma pessoa com pouca tolerância à dor.
 
Sei que tenho uma doença genética que ataca as mulheres da minha família que afeta as gengivas pelo que já estou bem habituada a dores de dentes constantes.
 
Mas, digo-vos uma coisa: tirar dentes e colocar uma prótese imediatamente após a extracção é o raio de uma dor que nem vos digo (isto para não falar do bruto inchaço na cara)...
 
Este mês é para esquecer...
 
A música de hoje? Esta (para ouvir bem alto):
 
 


segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Da amizade...como eu a vejo...

Imagem da net


"Amigo é aquele que sabe tudo a seu respeito
e, mesmo assim, ainda gosta de você"
Kim Hubbard


Já afirmei neste espaço inúmeras vezes que não utilizo o termo "amigo(a)" de forma aligeirada. Tenho muitos conhecidos mas amigos...os dedos de uma mão chegam e ainda sobram.

A amizade é algo que tem que ser exercida de forma constante.
 
A amizade não tem um sentido hoje e outro amanhã. Ou há amizade, ou não há. Na amizade dá-se...sem arrependimentos.
 
Não é por acaso que escolhemos como nosso confidente a(o) nossa(o) melhor amiga (o). Porque sabemos que não nos trai. Porque sabemos que não nos vai dizer aquilo que queremos ouvir mas, antes, aquilo que precisámos de ouvir.
 
Não concebo a amizade como um sacrifício, ou como uma simples obrigação. Sou amiga. Tão simples quanto isto. Tudo o que fiz foi pelo simples prazer de me dar.
 
Na verdadeira amizade temos que ter coragem de dizer: dou-te as minhas lágrimas, se me deres o teu sorriso, porque na verdadeira amizade há partilha.
 
Já perdi alguns amigos? Perdi dois.
 
Já me arrependi de me ter entregue a uma amizade?
 
Nunca...
 
A música de hoje foi lançada dois anos depois de eu ter nascido e que me acompanhou até aos meus 21 anos de idade.
 
Nunca passou por aqui. Era uma das que tinha vedado no recanto da minha memória. Mas, algum dia, tinha que emergir das teias de aranha...

domingo, 12 de novembro de 2017

O que a vida me ensinou...


Imagem da net

Seria tão bom, de vez em quando, seguir o nosso coração.  Ser feliz, esquecendo as consequências.
 
Mas, não. É muito mais seguro seguir o que a razão nos manda fazer. O erro é menor. As consequências quase nulas
 
Se pensarmos bem, é isso que distingue a inocência da idade adulta.
 
Passamos a ter medo do coração...
 
E a música só pode ser esta:
 
 

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso