segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Romantismo...


 
"Não existe amores impossíveis,
e sim pessoas incapazes de lutar por seu grande amor."
(Anónimo)

Meus queridos, hoje preciso que levantem a minha moral (sempre é mais fácil do que levantar os gordurinha acumulada no meu esbelto corpinho).

Vamos lá... Comecem a elencar actos de verdadeiro romantismo.

E se alguém quiser ter um acto de romantismo para comigo...agradecida!

Entretanto, vou fazer de conta que estou a dançar este tema bem agarradinha...



Hoje estou para aqui virada (antes que perguntem, sim, as insónias continuam, mas a boa disposição ainda por cá anda porque é a única hipótese que eu tenho de aguentar a maratona de trabalho que me espera esta semana)!
 


domingo, 17 de dezembro de 2017

Pensamento do dia (ou da noite)...



Imagem da net


Certo. Mas quando uma pessoa leva pancadas sucessivas deixa de haver espaço para a decepção.

Esta noite, a minha companhia são estes meninos...

A uma semana do Natal ...

Imagem de natal

 
Aproveitando o facto de maridão e filhota não estarem este domingo em casa, a "je" meteu-se a embrulhar os presentes de Natal.
 
Acabo por juntar o útil ao agradável. É que, para além de poder fazer os embrulhos longe de olhos indiscretos, na próxima semana espera-me uma maratona no trabalho e o tempo vai ser diminuto.
 
Tenho a terrível mania de que cada presente deve ser embrulhado de uma forma especial e de acordo com a pessoa a quem se destina.
 
E é também uma forma de tentar "embrulhar-me" no espírito natalício que este ano não há forma de me enrolar.
 
Ao longo desta semana passei algumas das minhas músicas fétiches. E porque estamos a uma semana do dia, termino com a minha música fétiche de Natal. Para mim, foi sempre esta:
 
 
 
 

sábado, 16 de dezembro de 2017

Quando, verdadeiramente, se quer...

 
Imagem da net
 
Consegue-se dizer...
 
Mas, na maioria das vezes, vira-se as costas à vida...
 
 
"Por mais que a vida nos agarre assim
Nos troque planos sem sequer pedir
Sem perguntar a que é que tem direito
Sem lhe importar o que nos faz sentir
 
Eu sei que ainda somos imortais
Se nos olhamos tão fundo de frente
Se o meu caminho for para onde vais
A encher de luz os meus lugares ausentes
 
É que eu quero-te tanto
Não saberia não te ter
É que eu quero-te tanto
É sempre mais do que eu te sei dizer
Mil vezes mais do que eu te sei dizer
 
Por mais que a vida nos agarre assim
Nos dê em troca do que nos roubou
Às vezes fogo e mar, loucura e chão
Ás vezes só a cinza do que sobrou
 
Eu sei que ainda somos muito mais
Se nos olhamos tão fundo de frente
Se a minha vida for por onde vais
A encher de luz os meus lugares ausentes
 
É que eu quero-te tanto
Não saberia não te ter
É que eu quero-te tanto
É sempre mais do que eu sei te dizer
Mil vezes mais do que eu te sei dizer"
 
Mafalda Veiga



O que a vida me ensinou...

Imagem da net
 
 
Que só temos consciência da força que temos quando a vida nos coloca tais obstáculos que só nos resta ser fortes.
 
Quase a terminar mais um ano posso dizer que a minha maior virtude é a resiliência.
 
A música fétiche de hoje? Ficam com dois "monumentos" musicais...
 
 

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Ah...e tal...


 
As tensões altas são perigosas, Ni Maria. Tens que tomar medicação para baixar essas tensões.
 
Já não tens trinta anos, és fumadora, tens o colesterol um pouco acima do normal, estás a entrar na menopausa, enfim...temos que controlar essas tensões...
 
Certo.
 
Mas, na verdade, nunca acabei no hospital por ter as tensões altas. E hoje acabei num por causa das tensões baixas.
 
Eu não disse que ia ficar mais doente com a medicação?
 
Raios e coriscos...
 
A música fétiche de hoje? Sei lá...fiquem com esta:
 
 

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Sabem...


Imagem da net

 
Qual é a vantagem de ter tido três semanas para riscar do meu baú das memórias?
 
Ter perdido os cinco quilos que na primavera passada ganhei à custa de um medicamento e, como bónus, mais três quilitos. Quais dietas e exercício físico, quais quê...
 
Oito quilos e o único esforço que tive que fazer foi aguentar os brindes que a querida vida decide oferecer-me de quando em vez...
 
Amanhã vou levar um vestido que já não vestia há mais de dois anos!
 
Quanto à música fétiche de hoje...eu devia estar louca quando decidi passar algumas das "minhas" músicas. Demonstrar numa semana as músicas que ouço vezes sem conta, é uma tarefa impossível!
 
As músicas que se seguem marcam uma das etapas mais importantes para mim. Dedico ao T., o meu primeiro Amigo.
 
 
 
 

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Porque hoje me apetece dizer isto...

 
Imagem da net


 
"O que há em mim é sobretudo cansaço
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.

A sutileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto em alguém,
Essas coisas todas
Essas e o que falta nelas eternamente
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.

Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...

E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,

Um supremíssimo cansaço,
Íssimo, íssimo, íssimo,
Cansaço..."
 
Álvaro de Campos
 
 
Dava tudo para conseguir dormir esta noite...

A música fétiche de hoje é esta:


terça-feira, 12 de dezembro de 2017

28 anos...

 
"Nossos filhos não são nossos.
Eles são filhos da vida ansiando pela vida"
Nietzsche
 
Há já alguns anos que ganhei a consciência que as "minhas" duas filhotas já não eram "minhas". Ou melhor, que já não eram aqueles seres indefesos que protegemos com os nossos braços e bem encostados ao peito porque, como bem sabemos, os filhos "não são nossos".
 
São eles que vão construir o seu próprio destino pois este é também uma questão de escolha. São eles que têm que percorrer os seus próprios caminhos, viver a vida e escrever no calcorrear dos dias as suas próprias histórias.A filhota mais velha decidiu há cerca de cinco anos escrever a sua história num outro País (e este ano não vou poder ter o Natal que gosto, porque não a vou ter comigo). 
 
Há 28 anos atrás, mais ao menos por esta hora, estava e envolver nos meus braços a "minha" filhota mais velha pela primeira vez.  Naqueles breves instantes ela foi "minha" porque "fomos uma".


Hoje, a música "fétiche" e, precisamente, do ano que ela nasceu.
 
 
 
 

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

O que a vida me ensinou...



Que nem as minhas escolhas, algumas vezes, pude controlar. Porque não se controlam escolhas condicionadas.

A música "fétiche" de hoje? Nem imaginam as memórias que esta música arrasta.
 
Nota - F.J. esta é para ti porque ninguém dançava esta música comigo como tu...


domingo, 10 de dezembro de 2017

Porque hoje me apetece dizer isto...


Imagem da net


"A solidão é extremamente interessante.
Ninguém para nos atazanar e obrigar a fazer o que não é da nossa natureza.
O único problema da solidão é que quando estamos envolvidos por ela,
sentimos uma imensa falta das outras pessoas."
Isaac Bianchi
 
Do que tenho saudades?

Definitivamente, da cumplicidade...  

Saudades da cumplicidade que partilhei. 

Do descobrir os nossos pensamentos sem nada dizer.
 
A música "fétiche" é esta:
 

 

 

...


 
E no dia em que em vez de estar deitadinha no sofá, bem enroladinha numa manta quentinha, a ver um bom filme, estou a...trabalhar!
 
O objetivo é concluir hoje um estudo prévio de viabilidade (até o nome dá sono). Aliás, acrescente-se, tem sido a minha rica vidinha neste fim-de-semana prolongado (e bem prolongado pois pelo andar da carruagem palpita-me que nem à cama vou).
 
Espero que estejam a passar um fim-de-semana prolongado bem mais a preceito que o meu.
 
Terceira música "fétiche", é esta (se tivesse que escolher apenas uma música seria, talvez, esta):
 
 

sábado, 9 de dezembro de 2017

Pensamento do dia...


"Com o tempo você percebe que as pessoas são como livros...
Alguns te enganam pela capa e outros te surpreendem pelo conteúdo."
Thalita Lopes
 
 
Como o prometido é devido, a segunda música "fétiche" é esta (era menina para dançar esta música horas e horas...):
 
 

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

...

Imagem da net*
 
"Quem eu sou, você só vai perceber quando olhar nos meus olhos,
ou melhor, além deles."
 
Clarice Lispector
 

Que gosto mais dos silêncios porque as palavras saem conforme as idealizamos e os silêncios conforme sentimos.

Que os silêncios não mentem, não criam expectativas, nem defraudam. E, acima de tudo, significam sempre algo.

Que gosto mais do "olhar".

Alguém disse que era o "espelho da alma", eu diria que que é o verdadeiro sentir que nos envolve.

No olhar não há mentiras nem subterfúgios. Não há fugas ou desculpas. Não há pretextos ou justificações.

No olhar há a verdade. Seja ela boa ou má.

No olhar há a inocência do sentir. A amargura da experiência.

No olhar há a serenidade da idade. A paixão da descoberta.

No olhar há o terminar de um sonho. O triunfo de uma conquista.

No olhar há o amor que queremos dar. A dor da invisibilidade.

No olhar há o carinho que nos desperta. A indiferença de quem magoa.

No olhar há o simples abraçar. A saudade infinita.

No olhar há o sol que nos aquece. O frio da ausência do calor humano.

No olhar há o verdadeiro "eu". O verdadeiro "sentir".
 
 
Esta semana servirá para recordar algumas das minhas músicas "fétiches". Aquelas em que "pára tudo que se vai ouvir...". Hoje é esta.


* Pelo menos ficam a conhecer a cor dos meus olhos

Finalmente...



Um texto que gostei de ler no "Shiuuuu".
 
Concorde, ou não, com o que está escrito. Mas que há frases que retrata o que, ao longo da minha vida, já senti...lá isso há!
 
 

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso