sábado, 19 de agosto de 2017

...

Não sei se é por causa da letra, se é da música, se é das duas coisas.

Mas consigo ouvir este tema em modo repeat vezes sem conta...

"Everywhere I look I see her smile
Her absent-minded eyes
And she has kept me wondering for so long
How this thing could go wrong

It seems to me that we are both the same
Playing the same game
But as darkness falls this true love falls apart
Into a riddle of her heart

She's so vulnerable, like china in my hands
She's so vulnerable, and I don't understand
I could never hurt the one I love
She's all I've got
But she's so vulnerable
Oh so vulnerable

Days like these no one should be alone
No heart should hide away
Her touch is gently conquering my mind
There's nothing words can say

She's colored with all the secrets of my soul
I've whispered all my dreams
But just as nighttime falls this vision falls apart
Into a riddle of her heart, yea

She's so vulnerable, like china in my hands
She's so vulnerable and I don't understand
I could never hurt someone I love
She's all I've got
But she's so vulnerable
Oh so vulnerable"
 
 

Fada do lar 2...

 
 
Eu sei que não acreditam, mas tenho algum jeitinho para inventar.
 
É claro que sempre que me vejo sozinha em casa as minhas "capacidades inventivas" aumentam exponencialmente, exatamente na mesma proporção do receio que assola a minha cara-metade quando me liga no final da manhã e pergunta de forma titubeante: "- O que é que já inventaste na minha ausência?".
 
Ora tais receios não me demovem da minha demanda.
 
E hoje não era para pintar a sala de azul ou os anexos de amarelo torrado (sim, já fiz isso). A minha demanda era criar uma cabeceira para a cama da filhota mais nova.
 
Percorri durante quase duas horas a casa toda para ver como havia de resolver o problema. E...eis que me deparo com uma porta de um guarda-fatos que já estava arrumado para um canto de um anexo e que, só por acaso, tinha a mesma tonalidade da cama.
 
Furos aqui e furos acolá, a cama passa a ter uma cabeceira digna desse nome e com um aspecto muito parecido com este:
 
Imagem da net
 
 
Agora é aguardar que o menino chegue lá por volta das duas da manhã e eu finja estar no sono dos justos...
 
A música que estou a ouvir? É esta...
 
 
Tenham um grande fim-de-semana!

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Respeito...mas não aceito...

 
Imagem da net


"Eu te entendo.
E quando não entendo, eu te aceito... Mas,
acima de todas as coisas, eu te respeito"
Desconhecido
 
 
Se me perguntarem se concordo com este pensamento, e numa leitura literal, direi que sim.
 
Mas se começar a analisar, começam as dúvidas. Não quanto à última frase porque é um princípio basilar de qualquer relação. Mas porque o pensamento é contraditório na sua base.
 
É que, confesso, tenho enormes dificuldades em aceitar aquilo que não entendo. E quando falo de "não entendo", não falo daquelas situações em que não tenho conhecimentos suficientes para rebater uma opinião. Falo daquelas situações em que alguém, face a uma determinada situação, apresenta argumentos que partem de generalidades e não dos factos inerentes a essa própria situação.
 
Exemplificando: estou a falar com alguém que sempre demonstrou para com a minha pessoa ser leal e de confiança. Uma pessoa que, quando confrontada com situações em que teria sido bem mais fácil mandar a lealdade e a confiança às urtigas, optou por ficar comigo. Será legítimo eu dizer a essa pessoa que não confio nela o suficiente porque a maioria das pessoas que conheci foram desleais para comigo? Essa pessoa não entenderia a minha postura. Teria que aceitar? Penso que não. Por uma razão muito simples. Eu não a estava a respeitar. Eu estava a julgá-la, mesmo sem provas, e a colocar-lhe uma etiqueta que, por acaso, até nem merecia.
 
Quando estamos a falar de relações, sejam elas de que espécie forem, estamos a falar de emoções, de afetos, de sentimentos. Eu não posso julgar uma pessoa, de a colocar ao nível de qualquer outra das minha relações só porque já sofri, já me magoei, já chorei por conta de outras.
 
Bom, podemos sempre dizer: "Vou fechar-me aos outros, aos sentimentos, aos afetos. Não vou deixar ninguém entrar na minha vida". Mas eu questiono-me: fechar como? Nós não vivemos numa redoma. E mesmo que fosse possível viver numa redoma, nada nos garante que ela nos livre do  sofrimento e da dor. A não ser, claro está, que se consiga encontrar uma ilha completamente deserta, sem ninguém e então levámos a vida sem tais preocupações.
 
Mas se pretendemos viver em sociedade, se pretendemos crescer enquanto indivíduos, não podemos fechar as portas às emoções e aos sentimentos. Por outras palavras, não podemos fechar as portas aos outros. Mesmo o homem mais só, tem sentimentos e emoções.
 
As más experiências do passado apenas podem tornar alguém mais precavido. Mais prudente.
 
Escrevi isto em quatro, cinco minutos e não reli. Porque quero que as palavras sejam lidas como as senti. Se é que são entendíveis...
 
A música é repetida mas quanto mais a ouço mais gosto dela e porque qualquer mulher gostaria de ouvir um dia a mensagem que ela encerra...
 
 
 
 
 
 

...


Imagem da net


A menina Ni teve uma educação à moda antiga. Estilo "fada do lar", estão a ver?
 
A minha mãe não deixou os seus créditos por mãos alheias na tentativa de preparar a sua filha mais velha para os desafios futuros. Aos dez anos já tinha lições de cozinha, de bordados, de costura, enfim...preparavam-me para ser a mulher ideal.
 
Mas a vida é lixada! (Estou sempre a dizer isto mas ninguém acredita)
 
O meu pai, apaixonado por livros, começou a fazer-me uma verdadeira biblioteca. Quando dou por mim, estava embrenhada em livros e rapidamente esqueci-me dos bordados e costura.
 
Perdeu-se uma mulher ideal e ficou uma mulher com mais defeitos que virtudes, (às tantas é por isso que todos se afastam).
 
Tudo isto vem a propósito porque estive quase uma hora a fazer o raio de uma bainha de umas calças.
 
Chiça...
 
A música de hoje é esta. Que querem? Hoje estou para agradar aos românticos que eu já não tenho idade para ouvir estas músicas...
 
 
 
 
 
 




quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Ahahahahahahahaha...


Imagem da net
 
 
Fiquei a saber que depois dos 50 anos fica tudo doido.
 
Boa! Encontrei algo de positivo para a minha idade.
 
Haja algo para dar animação a esta vida.
 
E para ajudar à festa continuamos com a música dos anos 70/80...
 
 
 

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Estamos a caminho da meia-noite...

 
Hora ideal para estarmos todos numa discoteca a dançar ao som dos anos 80, claro está.
 
A grande vantagem dos anos 80 é que para dançar não é preciso ter par. Pode-se chegar à discoteca sozinha(o). Mais a mais, daqui a um mês tenho que estar pronta para as noites que me esperam em Coimbra com o R e o P.
 
"Bora lá" que esta vida só dá mesmo para dançar e...pouco mais...



Então? Isto é para durar a noite toda...ou pensavam que era só eu a passar a noite a dançar?

 
Nota : Lá pelo minuto 34 vejam os meninos Alphaville e I'm Big in Japan... espetáculo!
 
 

Ai a vida...


Imagem da net

 
Ela faz-me cada uma! Às vezes questiono-me se ela apenas está a brincar comigo ou se é mesmo castigo. Se for castigo, bom...devo ter feito um mal do caraças numa vida passada (pois...não acredito na reencarnação mas tenho que me agarrar a qualquer coisa, mesmo à desculpa mais esfarrapada).
 
Aguenta coração...com comprimidos, é certo, mas o importante é aguentares!
 
Por falar em coração, lembrei-me logo de uma música. Mas como ainda hoje me disseram que me estava a transformar numa pessoa cínica e fria, e só para provar que ainda consigo escolher uma música para a(o)s menina(o)s que ainda acreditam em amores, amizades e afins dessa natureza, fiquem lá com esta.
 
Só para contrariar...
 
 
 
 Mas eu cá estou a ouvir isto:

 

 

Quando a música é a nossa melhor companhia...

 
Só podia ser com o meu álbum "fétiche" para evitar aquele sentimento de "someone who's left out in the rain"...

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Porque hoje...



...me apetecia dizer muita coisa mas por vezes o silêncio é a única coisa que podemos dizer...

Fiquem com a música que estou a ouvir no máximo...porque me faz lembrar uma noite mágica...

 

domingo, 13 de agosto de 2017

Travessia no deserto...

 
Imagem da net
 
 
Entrei "oficialmente" de férias.
 
Como não vou para lado nenhum, e praia só se for após o pôr-de-sol, vou-me deixando ficar por casa e entreter-me com as arrumações e afins e adiantar alguns processos que trouxe para casa.
 
A vontade de escrever é...nula.
 
Irei visitar os blogues habituais e, de quando em vez, virei a este estaminé colocar algum disparate.
 
Dou assim início à minha travessia no deserto...com paragens para reabastecimento...
 
A música que estou a ouvir? É esta:
 

Notas soltas:

1. Parabéns à Inês Henriques pela brilhante vitória no Campeonato do Munido de Atletismo.

2. Hoje vou ter que me desdobrar entre o jogo Tondela-F.C.do Porto e o jogo Barcelona-Real Madrid. Uma chatice...

3. É verdade, o desafio semanal volta em setembro...se não regressar mais cedo!

 

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Pensamento do dia...

Imagem da net


"Por tanto ter sido deixado pra trás,
aprendeu a dizer adeus
antes de ser abandonado outra vez..."
Augusto Branco
 
 
Ou o princípio de "mais vale prevenir que remediar"...
 
A música é esta:
 
 
 
 

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Desafio Semanal # 3


Peço desculpa aos vencedores de ainda não ter enviado os selos mas não está esquecido.

Depois de termos ouvido a música escolhida pela Janita, chegou a vez de ficarmos com a música de outro vencedor do Desafio desta semana.

O Pensador, contrafeito é certo, escolheu esta música:


Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso